terça-feira, 3 de abril de 2012

Kisses from Kairo - Encontrando Emprego no Cairo -- A Verdade Nua e Crua


Segunda-feira, 13 de junho, 2011
Encontrando Emprego no Cairo -- A Verdade Nua e Crua
Por Luna do Cairo
Traduzido por Lalitha

Para muitas bailarinas de dança do ventre do mundo inteiro, dançar no Cairo é o sonho das suas vidas. Não importa se é a oportunidade de dançar todas as noites ao vivo com uma orquestra ou a oportunidade de ter reconhecimento na comunidade internacional da dança, a dança do ventre no Cairo atrai todo ano centenas de mulheres ao Egito.

Apesar de todas nós fantasiarmos com isso, a verdade é que a dança do ventre no Cairo não é para qualquer uma. É preciso que você seja um tipo específico de mulher - fisicamente, emocionalmente e intelectualmente - para ter sucesso como bailarina. E não é sempre o tipo de mulher que quer isso. Como Layla Taj, uma bailarina que vive em Nova Iorque e que tem alguma experiência em dançar no Egito, disse no seu site "O Cairo escolhe você. Você não escolhe o Cairo." http://www.laylatajdance.com . Com tudo o que eu vi até agora, isso parece ser verdade. Todo ano, centenas de bailarinas surgem no Cairo, determinadas a tornar realidade o seu sonho de dançar aqui. Algumas chegam até a vender as suas casas, suas posses, e deixam seus entes queridos para trás. A maioria volta para casa desapontada e desiludida. Outras ficam no Cairo por anos, na esperança de que um dia o seu sonho se torne realidade. Com isso em mente, eu montei um guia SUPER REALISTA sobre como achar emprego no Cairo, no qual vamos examinar as qualidades da bailarina estrangeira que tem mais chances de ter sucesso. Por favor, lembrem que esses comentários são baseados na minha experiência pessoal e no que pude observar nos últimos dois anos e meio.

1. Talento. Para conseguir um emprego no Cairo, a bailarina estrangeira de dança do ventre precisa ter talento. Ela deve ter boa técnica, expressão e conhecimento sobre como montar um show. Não importa qual seja o seu estilo pessoal de dança, a bailarina precisa ser completa. Por quê? Porque se os empregadores estão saindo da norma, contratando uma bailarina estrangeira ao invés de uma egípcia, é porque ela deve ter algo para oferecer que as egípcias não têm. Porque eles não estão apenas tirando o emprego das suas companheiras egípcias, eles estão pagando pesadas multas todo mês por contratar estrangeiras. Então eles vão querer algo em troca pela inconveniência.

2. A "Aparência Certa". Para conseguir um emprego no Cairo, a bailarina estrangeira de dança do ventre precisa ter a aparência certa. No Ocidente, nós não temos realmente uma "aparência certa" para a dança do ventre. A dança do ventre no Ocidente é sobre a irmandade feminina, e nós acreditamos que a beleza tem diversas formas, vem todos os tamanhos, cores e idades. Entretanto, no Egito, usualmente há uma noção bem limitada do que é a beleza ideal feminina. Normalmente, se um egípcio pensa que Fulaninha é linda, 99% dos egípcios vai concordar. O oposto também é verdade. Isso é muito triste, porque elimina muitas bailarinas talentosas que não atendem aos padrões egípcios de beleza, quaisquer que eles sejam. De muitas formas, isso é injusto. Mas a dança do ventre é, de qualquer jeito, um entretenimento, e na indústria do entretenimento, a beleza conta tanto quanto o talento, se não mais. Então, dado que existem muitas mulheres competindo por alguns empregos, ter a "aparência certa" é, portanto, um fator determinante para quem vai trabalhar como bailarina no Cairo.

3. Paciência. Para conseguir um contrato como bailarina de dança do ventre no Cairo é preciso muita paciência. Apesar de um punhado de bailarinas ter conseguido contratos no primeiro mês em que chegaram ao Cairo (por conta de contatos (muito) pessoais), a maioria leva pelo menos um ano até ser contratada. Isso acontece porque, primeiro, não existem muitos locais com licença para contratar bailarinas estrangeiras, e, também, porque não existe muita rotatividade no mundo da dança do ventre do Cairo. Os empregadores costumam renovar os contratos das suas bailarinas por 3 anos, ao invés de contratar bailarinas novas. Bailarinas aspirantes precisam, portanto, ser pacientes. Elas precisam estar preparadas para ficar sentada em casa a maior parte da semana, sabendo que as bailarinas já contratadas estão dançando todos os dias. Elas também não devem desanimar com todas as promessas falsas e vazias que as pessoas da indústria fazem. Por exemplo, um cantor ou agente talentoso vai se apaixonar por uma jovem aspirante a bailarina, e vai prometer o mundo para ela. Ele jura que vai conseguir um contrato nesse ou naquele hotel, mas na realidade, ele não tem como conseguir isso. Normalmente, ele só quer se "divertir" um pouco. Então ele joga com a vontade dela de dançar no Egito. Quando a bailarina descobre que era tudo um jogo, ela se frustra, muito provavelmente sente vontade de desistir, especialmente depois que isso acontece repetidas vezes. É por isso que depois de um ano no Cairo, eu apelidei o Egito de "a terra das promessas vazias". A bailarina de sucesso é aquela que vê através desses joguetes, não se sente muito frustrada, e espera pacientemente até encontrar oportunidades de verdade.

4. Casca Grossa. Não importa quão bonita e talentosa é uma bailarina, se ela não for casca grossa, ela não vai ter sucesso no Cairo. Ser casca grossa no sentido de não deixar que a inveja, as críticas e os insultos das pessoas te desanimem. Assim como em outros ramos da indústria do entretenimento, a competição é grande e a inveja é um fato. Não haverá muitas outras bailarinas ou professores que ficarão felizes com o seu sucesso. Pelo contrário, muitos tentarão te destruir a cada passo do caminho. Eles vão inventar diversas fofocas sobre você, e te acusar de coisas (ou pessoas) que você nunca fez (N.T. aqui Luna usa um trocadilho que não dá para traduzir, mas ela sugere que vão te acusar de dormir com algumas pessoas). Eles vão tentar acabar com a sua reputação e destruir a sua auto-estima. Então, se você é o tipo de pessoa que se preocupa demais com o que dizem e pensam de você, você nunca vai sobreviver no mundo da dança do ventre do Cairo. Mesmo que você tenha talento, seja bonita, e tenha uma chance de dançar aqui, é quase impossível NÃO esbarrar com esse tipo de comportamento. (O que eu mais gostaria de fazer era ilustrar o que descrevi com exemplos da minha própria experiência e da experiência de outras bailarinas, mas eu vou me conter e não vou transformar esse blog numa coluna de fofocas.)

5. Falar árabe. Sim, falar a língua local e falá-la bem é muito importante para o sucesso de uma bailarina estrangeira no Cairo. A bailarina precisa ser capaz de se comunicar efetivamente com músicos, agentes, gerentes de hotel, que em sua maioria não falam inglês e que vão tentar tirar vantagem da aparentemente inocente mulher estrangeira. Falar árabe minimamente fluentemente (não apenas izayyak? e mashy) (N.T.: izayyak - como você vai? mashy - tudo bem!) é necessário para ser compreendida, e, mais importante, ser respeitada. Os egípcios desse meio precisam entender que a bailarina é inteligente e consegue lidar com eles na sua própria língua e no mesmo nível.

6. Sorte. E por último, mas não menos importante, falta a sorte. Eu mencionei anteriormente Layla Taj pela citação "O Cairo escolhe você. Você não escolhe o Cairo." Às vezes uma mulher tem tudo para ter sucesso como bailarina de dança do ventre no Cairo, mas por alguma razão inexplicável, ela simplesmente não consegue fechar um contrato. Talvez ela não tenha conhecido as pessoas certas, ou talvez ela não estivesse lá quando a oportunidade apareceu. As razões podem ser várias, mas ela nunca vai saber. Ao mesmo tempo, outra bailarina que esteja passando por dificuldades para conseguir um contrato pode inesperadamente estar no lugar certo e na hora certa.

Agora que eu já expliquei o que é necessário ter para trabalhar como bailarina de dança do ventre no Cairo, eu vou dar uma passada nas coisas que não ajudam.

1. Contatos. Enquanto sempre ajuda conhecer pessoas do meio que possam te indicar, conhecer o Presidente do Egito não vai te ajudar se os gerentes não acharem que você tem a ver com o negócio deles. Eu já vi muitos casos de estrangeiras aspirantes a bailarinas que ficam muito amigas com alguns organizadores de festivais, alguns cantores e até mesmo de algumas bailarinas egípcias, achando que essas pessoas vão conseguir um contrato para elas. Isso nunca aconteceu. No final do dia, o aparentemente poderoso organizador de festival não pode convencer o gerente de um cruzeiro no Nilo a contratar uma bailarina que ele não quer. Especialmente se ele não estiver precisando de novas bailarinas.

2. Anos de experiência. Quando estiver procurando por um contrato no Cairo, nenhum possível empregador vai perguntar qual é o histórico profissional dela. Ele não vai perguntar se ela é famosa no seu país, há quantos anos ela dança ou se ela é professora. No Cairo, ninguém se importa com isso. Gerentes de hotel ou de cruzeiros só querem saber se a bailarina pode montar um bom show e ser linda. Isso conta muito mais que experiência.

3. "Conhecer" o gerente - um pouco intimamente DEMAIS. Eu acho que você entendeu o que eu quis dizer. Nós sempre escutamos falar das bailarinas que chegaram aqui e e fizeram "amizade" com os donos e gerentes. Isso COSTUMAVA ser um atalho para conseguir um contrato, mas não funciona mais hoje em dia. Tem tanta competição hoje que "ser amiguinha" do gerente não garante um contrato nesse hotel ou cruzeiro. Especialmente se tiver candidatas mais fortes para a mesma posição por aí. Hoje em dia, os gerentes tiram vantagem da vontade das bailarinas estrangeiras de conseguir trabalho, usando-as, prometendo o mundo para elas, e depois não cumprindo as suas promessas. E no final, é a bailarina que perde. Sua reputação fica arruinada, e as pessoas respeitáveis do meio vão evitá-la. Na verdade, o melhor caminho para conseguir um contrato e manter o seu respeito por si mesma é não virar vítima desses predadores da indústria.

Eu escrevi essas observações não para desencorajar, mas para ser realista sobre o que é necessário para dançar no Cairo. Todos merecem uma chance de correr atrás dos seus sonhos. Mas eu acho importante que as bailarinas saibam no que estão se metendo. Elas devem saber qual é a sua probabilidade de sucesso, porque elas fazem grandes sacrifícios correndo atrás desse sonho. Para muitas é uma aventura que pode acabar com a sua vitalidade, felicidade, amor pela dança, e até mesmo entusiasmo pela vida. Realmente, muitas aspirantes a bailarina no Cairo admitiram que se alguém tivesse dito a elas o que as aguardava, elas teriam pensado duas vezes antes de desistir de tudo para dançar no Cairo. Para outras, é uma jornada que molda o seu caráter e dá força. E para as poucas afortunadas que conseguem, bom, seus desafios são muitos, e o menor deles é se manter verdadeira consigo mesma.

2 comentários:

  1. Um quadro muito parecido com aspirantes a atriz aqui na cidade do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir